Pesquisar este blog

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Deriva Continental




Esta teoria foi criada pelo meteorologista alemão Alfred Wegener, na qual ele afirmou que há, aproximadamente, 200 milhões de anos não existia separação entre os continentes, ou seja, havia uma única massa continental, chamada de Pangeia e um único Oceano, o Pantalassa.

Depois de milhões de anos houve uma fragmentação surgindo dois megacontinentes chamados de Laurásia e Godwana, e apartir daí os continentes foram se movendo e se adequando às configurações atuais.

O ponto crucial para o desenvolvimento da teoria da Deriva Continental, que na sua essência significa movimentação dos continentes, ou ainda, placas que se movem, é a constatação de que a Terra não é estática. Então Wegener percebeu que a costa da África possuía contorno que se encaixava na costa da América do Sul.

Outro vestígio que reforça a teoria foi a descoberta de fósseis de animais da mesma espécie em continentes diferentes, pois seria impossível que esses animais tivessem atravessado o Oceano Atlântico, a única explicação é que no passado os dois continentes encontravam-se juntos.

Texto de Apoio (Rev. Diversão Educativa)
O planeta Terra é como um ser vivo, quando observamos suas EXTENSAS formações montanhosas, grandes VALES e imensos OCEANOS, temos a sensação de que todo esse cenário é imutável e de que a TERRA está pronta e acabada. Na verdade, o panorama do nosso PLANETA sofre transformações constantes. A Terra está sendo reesculpida e ALTERADA, porém numa lentidão que raramente somos capazes de perceber. Os geólogos descobriram, por exemplo, que os continentes estão à DERIVA, ou seja, deslocam-se lentamente com o passar do tempo, a uma velocidade de alguns centímetros por SÉCULO. Os cientistas encontraram semelhanças entre fósseis colhidos no Brasil e na África do Sul, entre rochas encontradas no Brasil e no CONGO e entre fósseis encontrados na Austrália e na Índia. Assim foi possível descobrir que os continentes, outrora, formavam um único e grande continente chamado PANGÈIA, o qual provavelmente fragmentou-se há mais ou menos trezentos milhões de anos. Além dessas grandes transformações, outras menores estão acontecendo na superfície da Terra. A AÇÃO da água e dos ventos é a principal responsável pelo trabalho superficial de escultura da superfície terrestre. Ações vulcânicas também modificam nossas paisagens, em virtude da grande quantidade de MATÉRIA (magma) que é lançada na superfície da Terra. Algumas forças vindas do ESPAÇO também provocam mudanças profundas na Terra. Fenômenos físicos e químicos estão presentes em todas essas transformações que ocorrem em nosso planeta (Adaptado de Diversão Educativa ano I, nº 1).

Fonte: Brasil Escola

Um comentário: